Peça agora o seu cartão também pelo telefone: 0800 729 2071

aulas presenciais
Educação 15 de junho de 2022

Por que é importante acompanhar os filhos na volta das aulas presenciais?

Os sistemas de ensino do mundo todo passaram por mudanças significativas com a chegada da pandemia do COVID-19. Para preservar alunos e famílias, as aulas presenciais deram espaço ao ensino remoto. Nesse cenário, os pais precisaram assumir a corresponsabilidade pelos estudos de seus filhos, de forma bastante ativa. Hoje, com as condições de saúde coletiva […]

Os sistemas de ensino do mundo todo passaram por mudanças significativas com a chegada da pandemia do COVID-19. Para preservar alunos e famílias, as aulas presenciais deram espaço ao ensino remoto.

Nesse cenário, os pais precisaram assumir a corresponsabilidade pelos estudos de seus filhos, de forma bastante ativa. Hoje, com as condições de saúde coletiva mais estáveis — mas que ainda requerem cuidados — as escolas abriram, novamente, suas portas e receberam os alunos em sala.

Diante disso, será que é importante que os pais acompanhem o retorno de seus filhos às aulas? Preparamos este post especial para falar sobre o assunto. Acompanhe e confira!

Quais as diferenças entre as aulas online e presenciais?

Por ser uma maneira nova de conduzir e acompanhar o processo de ensino aprendizagem, foi preciso muita capacitação por parte dos educadores e profissionais envolvidos com a educação, além do esforço contínuo dos pais para que tudo desse certo.

Enquanto nas aulas presenciais o acompanhamento especializado por parte dos professores é bastante próximo e acessível, na modalidade online a falta de acesso a recursos tecnológicos dificulta a relação com algumas famílias e alunos.

Outro ponto que se diferencia nos dois tipos de ensino é que, de longe, é mais complexo identificar quais são as dificuldades reais dos alunos. Isso porque, presencialmente, os educadores acompanham a execução das tarefas em tempo real.

Essa questão de convívio diário também é diferente para os dois ensinos. No presencial, além de contarem com a presença dos professores e outros profissionais dedicados aos cuidados com os alunos, as crianças e adolescentes convivem entre seus pares. Ou seja, interagem entre si.

No modelo remoto, como a interação é online, a troca de experiências, o compartilhamento de dúvidas e a aprendizagem vicária que significa aprender observando os exemplos — ficam, a certo nível, comprometidas.

Por fim, uma questão que também é divergente — além de muito importante para algumas famílias — é em relação à alimentação adequada fornecida aos alunos, no modelo presencial.

Algumas escolas pelo país ofertaram cestas de alimentos para os familiares durante o período de aulas online, mas, mesmo assim, houveram desafios nessa distribuição.

Por que é importante acompanhar os filhos na volta às aulas presenciais?

No retorno às aulas presenciais, os alunos ainda estão se adaptando às rotinas e propostas de aprendizagem. Precisamos considerar que alguns estão em defasagem, por conta de inúmeras questões que surgiram na pandemia.

Por isso, é importante que os pais acompanhem todo o processo de regresso para identificar as possíveis dificuldades de seus filhos e traçar planos para colaborar com a sua recuperação.

Além disso, a presença dos pais, nesse momento, é crucial para fortalecer a rede de apoio que envolve escola, comunidade e família. É preciso que todos estejam atentos às necessidades de adaptação nessa nova realidade.

No mais, acompanhando de perto a volta às aulas, os responsáveis pelas crianças e adolescentes conseguem notar sinais de possíveis adoecimentos mentais, além de oferecer auxílio — inclusive com a ajuda de profissionais —, apoio, segurança e amparo para seus filhos.

Como ajudar o filho na volta às aulas?

Mas, como, de fato, os pais podem ajudar seus filhos nesse retorno? Além de estarem presentes e atentos a todos os eventos dessa nova organização, existem outras boas alternativas. Vamos ver algumas possibilidades abaixo.

Oportunizar reforços ou criar estratégias para ajudar no ensino

Ao notar que o filho está com alguma dificuldade em alguma matéria, ou mesmo que não está conseguindo alcançar a turma nas atividades em sala de aula, os pais podem buscar por educadores para um reforço escolar.

Uma outra possibilidade para quem não pode custear esse serviço é criar, mesmo que de maneira não profissional, estratégias para ajudar com as lições. Envolver as atividades do cotidiano e incluir brincadeiras do dia a dia são ações que costumam funcionar muito bem.

Por exemplo, se a criança não está conseguindo avançar no inglês, os pais podem colocar pequenas etiquetas nos móveis e utensílios domésticos, com o nome dos objetos na língua inglesa, para ajudar na memorização do vocabulário.

Estimular positivamente e incentivar a educação

É normal que, por conta do tempo que ficaram em casa, as crianças e adolescentes não se sintam motivadas a retornar aos seus estudos. Como ainda precisam de muitos estímulos concretos e precisam encontrar benefícios reais em cada ação, os pais podem incentivar seus filhos falando de resultados possíveis de atingir ao estudar.

Falar, por exemplo, que estudando matemática vai ser mais fácil conseguir um bom trabalho como desenvolvedor de games e aprender a programar os jogos que quiser. Uma alternativa para usar com os pequenos é dizer que vão rever os amigos e brincar muito.

É importante usar de muita positividade com as crianças e adolescentes e nunca focar em seus pontos fracos. Pelo contrário, incentive-os em suas potencialidades e ajude a superar os desafios.

Oferecer apoio e estar aberto à conversas

É provável que os alunos se adaptem às aulas presenciais novamente. Mas, pode ser que algumas coisas surjam nesse regresso. Desde uma dificuldade de convivência com os amigos, até uma ansiedade por separação dos familiares, quando já perderam alguém na família.

Portanto, é preciso estar atento aos detalhes, prestar apoio nos momentos desafiadores e sempre estar aberto ao diálogo. Essa atitude demonstra para as crianças e adolescentes que eles podem contar com seus pais, mesmo nas adversidades.

Criar rotinas e programas de estudo

Não é porque as aulas presenciais voltaram que os bons hábitos estimulados na modalidade online devem ser deixados de lado. A rotina de estudos e os programas de ensino podem, e devem, continuar.

Estabelecer, também, um cronograma para o dia a dia possibilita que os pais garantam o básico para o desenvolvimento dos filhos. Nessa programação podem ser considerados os horários para estudo, para alimentação, descanso e sono.

Tomar cuidado com as palavras e pressão excessiva

A pressão excessiva pode ter efeito contrário na hora de auxiliar crianças e adolescentes. É necessário tomar cuidado ao manifestar preocupação com a rotina escolar dos filhos.

O ideal é sempre se referir à situação e nunca atribuir o fato à criança, diretamente. Por exemplo, em vez de dizer "você não consegue aprender essa matéria", diga: "vejo que o português tem sido um desafio, mas eu confio no seu potencial. Posso te ajudar?".

Dizer o tempo todo que os filhos não conseguem fazer algo faz com que internalizem essa informação e, logo, comecem a agir de acordo com essa crença.

Proporcionar momentos de lazer

Mesmo com as atribuições escolares, as crianças e adolescentes precisam de momentos para diversão. O lazer contribui para que o estresse e a ansiedade diante das novas situações diminuam.

Os pais podem criar situações para a distração em família, como um dia para cozinhar juntos, uma tarde no parque ou até assistir a um filme que seja do universo do filho. Esses eventos fortalecem os laços afetivos.

Quais são os cuidados com a saúde dos filhos na volta às aulas?

Um dos pontos mais importantes que os pais devem acompanhar no regresso de seus filhos às aulas presenciais é a condição de saúde. As vacinas estão atualizadas? As consultas pediátricas estão em dia? Não há nenhuma questão que coloque a criança ou os outros alunos em risco?

Além disso, o uso e as trocas das máscaras, a higienização das mãos e a utilização do álcool em gel continuam sendo essenciais. Orientar sobre a necessidade de evitar as aglomerações também ajuda.

As escolas e as famílias juntas podem proporcionar um retorno às aulas presenciais com segurança e tranquilidade. Os pais, nesse processo, são figuras essenciais e contribuem para que seus filhos estejam confiantes, mesmo diante de uma necessidade de readaptação.

A responsabilidade de garantir uma educação de qualidade para as crianças e adolescentes é da família, da comunidade escolar, do Estado e da sociedade, em geral. Se todos colaborarem, juntos podemos mais!

Se você gostou deste post e acredita que ele pode ajudar alguns pais no retorno de seus filhos às aulas presenciais, compartilhe-o nas redes sociais!

Cartão de TODOS

Redator

Olá! Como podemos ajudar?